Peeling Físico

O que é Peeling Físico

O peeling é um procedimento não invasivo realizado com o objetivo de rejuvenescer a aparência da pele. Como o próprio nome já diz (peel quer dizer descascar), o peeling remove as camadas da pele, estimulando a renovação celular. Podem ser de dois tipo: físico e químico.

O peeling físico se dá por meio de agentes que induzem a descamação mecânica, desde pequenos equipamentos e cremes abrasivos até aparelhos que realizam uma microabrasão na pele por fluxo de cristais – peeling de cristal – ou de pontas de diamantes – peeling de diamante. 

 

Como funciona o tratamento

Peelings físicos são considerados mais superficiais e possuem um efeito de esfoliação que favorece a renovação da pele e aumenta a penetração de ativos. Pode ser usado de forma isolada ou combinada com peelings químicos. No peeling físico ocorre um processo mecânico de lixamento da pele para retirada das células mortas através de substâncias abrasivas. Um exemplo bem popular é o peeling de cristal, que aplica sobre a pele pó de oxido de alumínio a vácuo. 

Peeling de diamante: é realizado com uma ponteira de caneta e uma lixa diamantada, aspirando impurezas da pele, atingindo somente a epiderme. O método é mais indicado para peles mais novas e sensíveis, que não necessitam de uma esfoliação abrasiva. Esse método não causa dor nem vermelhidão. É ideal para hidratar e tratar com as marcas deixadas pelos cravos e espinhas no rosto e pode ser feito também no pescoço, colo e costas. O número de sessões recomendadas varia de acordo com o estado da pele da paciente.

Peeling de cristal: é feito através de uma ponteira que, aplicada sobre a pele, libera e aspira os cristais (óxido de alumínio) pelo próprio equipamento a vácuo. Ele é recomendado para peles mais maduras e que precisam de uma esfoliação mais profunda. Com o peeling de cristal  pode ocorrer uma leve vermelhidão na pele. É indicado para manchas provocadas pelo sol e cicatrizes de acnes. 

As técnicas são seguras e o procedimento é classificado como minimamente invasivo, porque a utilização do equipamento faz com que seja possível manter sempre regulado os níveis de esfoliação. Ao recorrer ao peeling físico, a paciente já perceberá de forma imediata uma melhora tanto no tônus quanto na textura e pigmentação da pele, não será preciso se afastar de suas atividades e não sofrerá com nenhum tipo de dor mesmo durante a realização do procedimento. Após a realização do procedimento, a pessoa precisará evitar a exposição ao sol, mas quando não for possível deverá fazer uso de filtros solares hipoalergênicos e precisa manter a pele muito hidratada.

 

Indicações

  • Fotoenvelhecimento – em pacientes de todas as faixas etárias e fototipos de pele;
  • Cicatrizes superficiais pós-acne, pós-afecções dermatológicas e pós-cirúrgicas;
  • Alterações na pigmentação: melasma, melanoses solares e hiperpigmentação pós-inflamatória;
  • Envelhecimento intrínseco – rugas finas (superficiais);
  • Acne comedoniana;
  • Estrias antigas albas (o objetivo é destruir a camada epidérmica sem atingir estruturas como anexos cutâneos garantindo a restauração da pele).

 

Vantagens

Não precisa se afastar das atividades; indolor; seguro; percepção do paciente de melhora imediata no tônus, textura e pigmentação.

 

Contra Indicações

  • Infecções virais em atividade;
  • Infecções bacterianas em atividade;
  • Acne pápulo-pustulosa (pode levar à piora inicial);
  • Rosácea (pode levar à piora inicial);
  • Isotretinoína oral sendo esta postergada para 6 a 12 meses pós-tratamento.